Durval Amorim

Sou de Volta Redonda, mas vivo no Rio de Janeiro há quase vinte anos. Vim fazer Faculdade de Publicidade e Propaganda na PUC e adotei o Rio como meu lugar. Sou apaixonado por essa cidade.

Atuo como Designer de Interfaces Digitais há mais de 10 anos, tenho duas pós-graduações na área e atualmente trabalho no Plano-B Design, escritório carioca focado em design de interação e sistemas digitais.

A minha história com as aquarelas começou no início de 2013.

Sabe aquele momento em que você resolve traçar novos planos para o ano novo? Uma das minhas metas era retomar alguma atividade manual, que não dependesse tanto de computadores. Minha mãe é professora de Artes e durante toda minha vida sempre tive muito contato com tintas, colagem e desenhos, queria retomar minha relação com esse universo mais analógico.

Uma amiga do trabalho me sugeriu tentar a aquarela, que eu já conhecia, mas nunca tinha feito aulas. Depois de uma breve pesquisa acabei chegando no atelier onde atualmente faço aulas, o Chiaroscuro Ateliê de Pintura. Fiz uma primeira aula experimental e tive a certeza de que era essa atividade que eu gostaria de desenvolver.

Nessa mesma época saí de férias e fui para Nova Iorque. Fiquei muito impressionado com a vibe da cidade. Amei a paisagem urbana, os arranha-céus, o Central Park, a mistura da arquitetura clássica com a moderna. Comprei alguns livros de fotografia e ilustração durante a viagem e decidi que quando voltasse iria começar a retratar NY numa série de aquarelas.

Chegando no Rio de Janeiro comecei a perceber a cidade de uma nova forma, a experiência em NY tinha feito eu enxergar um Rio que eu já estava esquecendo, passei a ver tudo diferente e me apaixonei novamente pela cidade. :-)

Decidi retratar o Rio em minhas aquarelas, passei a estudar um pouco sobre a história da cidade, a arquitetura, os movimentos urbanos. Comecei a colecionar lugares no Rio e passei a fazer aquarelas da minha visão sobre a cidade. No inicio o foco era a arquitetura, a mistura de estilos. Depois passei a incluir algumas pessoas em meus desenhos.

No final de 2014 encontrei a foto de um amigo em um perfil do Intagram chamado Ciclovias Invisíveis, eles defendem o direito dos ciclistas andarem nas vias junto com os carros. Tive a ideia de fazer uma série de aquarelas com ciclistas andando pela cidade. No início, a ideia era fazer somente algumas, mas fui sentindo que poderia explorar mais esse tema, aí nasceu a série “No Rio, de Bike”.

No início de 2015 fui convidado a participar do GAMA, evento que une gastronomia, arte e música no Rioow Hostel. Nesse mesmo período também comecei a montar minha primeira exposição solo que aconteceu em Julho no próprio ateliê onde faço aulas até hoje.

Ainda não sei bem onde quero chegar mas estou certo de que vou continuar desbravando a cidade do Rio de Janeiro com minhas aquarelas.